Matilde Carmim e Daniel Maiagaia
                 Nas muitas viagens que amigos, familiares e eu fizemos pelas diversas cidades e regiões do mundo, sempre gostámos de conhecer o que não aparece nos postais, nos guias - os diversos lugares da cidade real - vividos pelos locais. Sempre acreditámos que ao conhecer uma cidade apenas pelos guias e postais, não estaríamos a conhecê-la verdadeiramente, mas a um pacote que aquela tem para oferecer. Enquanto portuense, e pelo mesmo motivo, sempre tive a impressão de que, para muitos, quando os locais saem de casa, desaguam directamente na Ribeira, ou muito perto, num local semelhante. E ainda que os clichés possam ter, porventura, alguma utilidade turística, podem, também, criar uma imagem que não só não é real, como pode estar bastante longe da realidade, e castrar, em certa medida, a verdadeira escala do potencial do lugar em questão - o que, acredito, seja o caso do Porto - uma metrópole vasta e extremamente diversa para quem nela está e a vive ao longo de meses, anos, décadas, ou mais de um século.

                 Foi essa metrópole vasta e diversa que pretendi registar na íntegra, e que agora, através deste site, poderão, caso queiram, mostrar ao maior número de pessoas possível através de toda a Terra, e perpetuar, na Humanidade, o que entidades desfavoráveis quiseram omitir ao longo de décadas. No decorrer das fotografias aqui mostradas, não será enaltecido o que é exlibris em detrimento daquilo que não é - o objectivo é a criação de uma espécie de compêndio de predicados distintos que se complementem entre si, e mais do que o valor individiual associado a cada um, se gere a noção de que a soma de todos eles coexiste num só ponto do planeta, ficando evidenciado que existe algo superior à beleza daquilo que é mais belo - a tremenda diversidade de tudo o que aqui existe. Das ruelas às avenidas, das casas aos prédios, dos jardins às praias, do antigo ao contemporâneo, do singelo ao magnífico, tudo tem uma marca transversal e que une todos os referidos predicados - a marca Porto.

                 Uma vez mais, enquanto portuense, obrigado a todos aqueles e aquelas que pensaram à frente, que imaginaram um grande aeroporto, rede de metro, formidável cartaz cultural, entre muitas coisas demais que, juntamente com tantas outras, levaram a que a cidade - mesmo depois de um século mergulhada na penumbra - retomasse o caminho para que neste séc. XXI pudesse voltar a ser o que um dia foi para o Mundo no séc.XIX. Evidencia que uma cidade, bem mais do que o conjunto de ruas e prédios que a compõe, é, acima de tudo, o conjunto das pessoas que a habitam, e mostra, em última instância, porque é que o Porto é magnífico.

                 Numa nota mais pessoal, gostaria de referir que depois de tantos anos sem saber se conseguiria, de facto, levar a bom porto o projecto, não deixa de ser curioso que o ano em que este ficou completo tenha coincidido com o ano do nascimento da minha filha Matilde. Gosto de acreditar em sincronias, e por isso é a ela e à sua mãe que dedico o resultado desta longa caminhada.

                 Bem-vindos a esta supercidade europeia. Espero que gostem das fotografias! O meu nome é Daniel Maiagaia, e serei o vosso anfitrião :)
Pila